domingo, 12 de outubro de 2008

As palavra são as "pedras no meu sapato"

Amo as palavras!
Vivo com elas, durmo, sonho usando-as.
Estão comigo sempre.
Inundam os pensamentos, impedindo-me muitas vezes visualizar
o mundo como ele o é, ou parece ser...
O mundo chega até mim através delas.

Muitas são vida!
Outra nem por isso...
Umas são cálidas e deliciosas!
(mesmo ditas por outros)
Outras magoam, ferem e deixam marcas...
Marcas maiores que as "facadas" de uma batalha.
Mas ,
são elas,
as palavras que me
procuram,
que querem sair...

E, no entanto, ficam retidas
não sei bem onde...
Há sensações que não se explicam,
nem usando as mais belas palavras.
Há estados de alma
que ficam por escrevinhar,
quer aqui, quer no caderdinho que me acompanha.

As palavras de revolta parecem ser aquelas que mais facilmente
saem. Porquê?

São fáceis. Estão à flor da pele...

Mas eu serenei, acalmei
e, assim, até
as palavras fáceis não têm aparecido,
não lhes tenho dado voz.

Tudo isto para dizer
que me parece
que nada mais tenho para dizer...

E, no entanto,
Quantas me percorrem e
me pedem para ver o dia, ou a noite.

E há tantas palavras.

Mesmo para se explicar como se ama uma pedra.

11 comentários:

Rosa Oliveira disse...

Então, deixa sair as palavras...

Chegou o momento de te dizer que uso a palavra pedra, em sentido positivo/bom/optimista/feliz/esperançoso... construtivo...

«Tu és pedra e sobre esta pedra edificarei...»

PedrasTuas disse...

Também Rosa. Também. E sempre senti o teu (a)Mar Pedra uma pedra de edificação, nem que não seja pela tentativa de desconstrução para a construção que se segue...

As minhas pedras são saudade, mas esperança de construção / reabilitação.

São também, talvez,e com mais força, uma metáfora da forma como encaro o amor. No fundo, serão uma outra forma de dizer "palavra"...

O meu Amar a Pedra é talvez a forma de expressar que Amo Amar.

Para além disso sempre fui fascinada por rochas. Tenho mesmo uma pequena coleção de pedras que os meus meninos me vão trazendo, pelos sítios por onde vou passando.

Verdade é que por vezes os posts parecem ser recodações magoadas e o eu sentir-me pedra, mais não é do que uma tentativa de procurar refúgio na segurança da permanência/segurança de uma pedra / rocha (diria o comentador geólogo)!

Mas na maioria das vezes tentam ser uma linha condutora (que parvoíce) desta aventura em que me meti... uma aventura que será como dizes para deixar sair as palavras, ou talvez as pedras que gostaria de ver "ditas".

Rosa Oliveira disse...

é a segunda, (penso)vez que escreves essa cousa de «amo amar». Eu amo um homem, não percebo o que queres dizer com "amares amar". amar não é dádiva? é diferente gostar de gostar e gostá-lo, ou não?
deixa, estou a divagar

PedrasTuas disse...

Eu não amo um homem.

E isso é que é difícil de explicar.

Amo (gosto) de sentir-me a amar...
sem objecto (daí a pedra...).

Ainda nunca amei um homem, deve ser por isso.

E, lembra-te vivo num mundo de abstracções e pensamentos, onde não há muito lugar para a realidade.
Mas não ficciono...desde que me recordo gosto desta sensação de me sentir a Amar (mesmo sem saber o que tal é na sua concretização neste plano, em que por vezes me recuso viver - pouco saudável? Talvez...)!!

E por favor divaga.

Rosa Oliveira disse...

Pedras, desculpa, mas não compreendo.
Gostar de se sentir a amar e recusar-se a viver o plano concreto é o quê? Indecisão? Medo?
Podia comentar imensas coisas, mas não o quero fazer nesta caixa de comentários.
Ainda assim: sorry, mas (eu) não acredito no que estás a dizer. É para pensar e não para tecer comentários.
Pedras, chama um taxi e vai jantar, sózinha, ao Forum. Vai!

manuel marques disse...

Palavras:
são os suspiros da alma .

Rosa Oliveira disse...

da alma?
«atão», os suspiros não se fazem com ovos e açucar?
ypronto, de culinária percebo quase nada.

Rosa Oliveira disse...

ah! ninguém se preocupa, aqui, com sapatos.
hoje, comprei uns sapatos.
obviamente que não foram os belíssimos que vi a mais de cem euros. foram mesmo 20 €. um achado! em pele preta, daqueles rasteirinhos d'ir trabalhar com lacinho e tudo.

manuel marques disse...

Talvez quisesse dizer que tinha comprado uns calcantes(pedras) novos.Então bons caminhos.

PedrasTuas disse...

Devo ter ido jantar.
Acho que me fez bem "jantar"...
Não foi no Fórum, acho eu que não gosto de conduzir na cidade e os táxis são muito caros...
E, Rosa, é medo. É mesmo puro medo.

E que tal os calcantes? Ainda duram? Onde os encontrste nesse calhau?

Suspiros são bons mas fazem mal...muito açúcar.

Rosa Oliveira disse...

Ter medo é humano.
Existe em todas as culturas de todos os tempos
com grande carga social...
sem medo, talvez, a espécie humana já não existisse

....

Ter medo de ter medo, também se trata. Felizmente.