domingo, 5 de julho de 2009

Para amigos de sempre

O tempo seca a beleza.
seca o amor, seca as palavras.
Deixa tudo solto, leve,
desunido para sempre
como as areias nas águas.
O tempo seca a saudade,
seca as lembranças e as lágrimas.
Deixa algum retrato, apenas,
vagando seco e vazio
como estas conchas das praias.
O tempo seca o desejo
e suas velhas batalhas.
Seca o frágil arabesco,
vestígio do musgo humano,
na densa turfa mortuária.
Esperarei pelo tempo
com suas conquistas áridas.
Esperarei que te seque,
não na terra, Amor-Perfeito,
num tempo depois das almas.

Cecília Meireles (Poetisa brasileira, 1901-1964)
Categorias: , ,
Publicado por Susana B. às 15:22 7 Comentários



O poema é dedicado aos meus caros amigos Manuel Marques e Rosa que não desistiram, mesmo quando o musgo persistia...

6 comentários:

manuel marques disse...

A felicidade de um amiga(o) deleita-me, enriquece-me.

Beijo querida amiga.

PedrasTuas disse...

Obrigada querido Amigo!A sua presença é que me enriquece. E muito.

Rosa Oliveira disse...

Nani, traz uma mala ou saco ou assim... há umas cenas (cenas curtidas) para levares. Vem! No outro fim-de -semana o mais certo é... bazar!
Beijo
Sono... vou nanar
R

PedrasTuas disse...

Olá Rosinha! Que bom ver-te por aqui...
Talvez vá este fim de semana.

Acho que não é talvez. VOu mesmo. Com cenas ou sem cenas. Ainda queria aprender tanto contigo. Preciso falr tanto contigo. Tenho muitas saudades tuas...
Até sexta. Beijo grande.

Rosa Oliveira disse...

John garantiu-me hoje
que virias
vem mesmo!

PedrasTuas disse...

Vou.
Estava a tentar copiar um hino ao mar e à praia mas a ligação foi ao ar...